Dilma e os Pessimistas

A Presidente Dilma em suas recentes aparições públicas não se cansa de atacar os pessimistas de plantão. Segundo ela, parte da imprensa e de segmentos da indústria estão jogando contra e tentando instalar um ambiente de turbulência em plena época pré eleitoral.
Quem tem razão e argumentos nesse momento? Combater o tal pessimismo justamente na semana em que o Poder Supremo do país (será mesmo?) envergonhou todos nós brasileiros, ou pelo menos a grande maioria, é no mínimo incongruente.
Será que o pessimismo deve-se pelos números pífios da economia neste ano? Alta do dólar? Inflação preocupante? Ou será que o mal humor do mercado está ligado a falta de diretrizes de nossa equipe econômica?
Ou seria a fonte do pessimismo o número absurdo de manifestações sem objetivo claro? Ou seria pelos fracassos nas últimas licitações do governo?

Veja só o exemplo recente da licitação relativa à maior área de exploração de petróleo no país – o campo de Libra , com projeção de produção de 1 milhão de barris dia. Nenhuma das mega organizações mundiais como Exxon, BP e Chevron – acostumadas a investir em áreas de risco – aceitaram participar do processo. Isto pode ser encarado como um sinal de pessimismo? Ou temos razões técnicas para explicar tal fato?
Será que os encantos dos eventos internacionais: Copa do Mundo, Olimpíadas, Expo, teria passado? Seria o mesmo pessimismo mero instrumento eleitoral?

Que pena. Estamos perdendo uma grande onda. Continuamos cometendo os mesmos erros do Brasil do passado que nos impede de chegar perto do Brasil do futuro. Há alguns anos atrás o país demonstrou capacidade de descolar a curva econômica da política. Isso ficou claro em muitas situações, será que essa arma poderosa foi agora perdida?

Falando com um amigo executivo de uma grande empresa, ele projetava 2014 de um modo “muito pessimista”. Eu o questionei sobre razões básicas para isso. Ele simplesmente me deu uma resposta antiga, que fazia tempo não ouvia. Citou o calendário. Março: Carnaval, Junho: Copa do Mundo, Outubro: Eleições. Mesmo encarando sempre as situações de uma forma muito positiva e otimista, depois de seu discurso, comecei a pensar em 2015.