O Uso de Máscaras nas Empresas

Você passou a semana toda dentro de sua organização executando suas funções, criando soluções, interagindo com pessoas, chefes, pares e equipes. Se você pudesse parar um minuto para refletir sobre o que essas pessoas viram em você em cada um dos momentos em que você teve contato com elas, como seria? O que será que elas realmente enxergaram em você? Talvez uma pessoa sincera, ou dura, quem sabe analítica e pensativa, quem sabe entusiasmada, ou um chato, ou um gênio.
Por mais inconsciente que possa parecer, todos os dias usamos inúmeras máscaras que servem para nos proteger ou apenas para criar nosso estilo social-corporativo. E não há nada errado com isso, desde que as máscaras sejam verdadeiras, naturais e utilizadas sem exageros. Entretanto quando percebemos que estas máscaras são utilizadas de maneira forçada, como uma ferramenta de poder ou defesa, imediatamente criamos um rótulo – e isso é o mais comum em um ambiente profissional. Veja só, vamos fazer uma brincadeira, preencha rapidamente a relação a seguir.
– O cara mais bem humorado que eu conheço no trabalho é…
– O chato da turma é o(a)…
– A pessoa que sempre quer explicar o inexplicável é…
– O detalhista aqui é o(a)…
– Sempre que preciso desabafar procuro o(a)…
– O mal humorado(a) da turma é…
– O coração mole é…
– O boa gente é…

Nesse rápido exercício você apenas usou sua memória para lembrar-se de cenas que caracterizam as pessoas que vieram a sua mente. A máscara pode ajudar muitas pessoas a assumirem posições nem sempre confortáveis. Exemplo: uma pessoa que trabalha em uma área sujeita a muitas negociações provavelmente vai assumir uma máscara de dura, analítica e às vezes pouco simpática. Um vendedor que tenha contato com o público pode assumir, dependendo de seu estilos, máscaras diversas. O bom papo, o carismático, o chato, o agressivo, o insistente, o persuasivo. Podemos e devemos utilizar essas máscaras com cautela e inteligência, e todas elas devem ser reais, ou seja, devem fazer parte de nós mesmos. O incrível nesse tema é que a grande maioria das pessoas imagina que usa suas máscaras e elas não são percebias pelos demais. Ledo engano, todos as percebem de forma muito clara. Portanto, o primeiro passo para utilizar melhor essas máscaras seria tentar identificá-las. Conheci um profissional que durante esse exercício pensou, pensou e me disse que não havia encontrado nenhuma máscara que pudesse ser aplicada em seu caso. Disse a ele que talvez ele precisasse de mais tempo para pensar sobre o tema. No dia seguinte pela manhã ele me procurou para contar que durante o jantar da noite anterior ele havia aberto essa discussão com esposa e filhos. Resultado, ao final de alguns minutos ele já tinha uma lista de máscaras que as pessoas enxergavam claramente nele, menos ele.
E você já sabe quais são suas máscaras?

Source: Exame Blog